Área Azul ainda está em estudo pela PMT
Matéria via Diário do Sul / Postado dia 20-04-2017

Desde que foi cancelada a assinatura do contrato com a empresa que iria gerir o sistema rotativo em Tubarão, no dia 4 de abril, a prefeitura tem avaliado as melhores formas de resolver o problema. Um posicionamento, no entanto, só será dado em maio, quando vence o prazo de 30 dias.

De acordo com o vice-prefeito e secretário de Gestão, Caio Tokarski, desde que foi anunciada a suspensão a administração municipal tem buscado a melhor solução para a Área Azul.

“Estamos trabalhando incansavelmente na elaboração da licitação. Quando vencer o prazo de 30 dias, desde a suspensão da assinatura, o prefeito irá anunciar a decisão, ou seja, se iremos licitar ou apresentar alguma outra opção”, afirma.

No dia 4 deste mês, a prefeitura voltou atrás na decisão de contratar uma empresa para gerir o estacionamento rotativo da cidade com dispensa de licitação e adiou o processo. O cancelamento da assinatura do contrato foi anunciado durante o evento que celebraria o acordo, na sede da Amurel, causando surpresa.

O questionamento da legalidade jurídica da dispensa de licitação para este caso foi o principal motivo para o adiamento, já que o contrato de serviço sem processo licitatório só é possível em casos de urgência.

A justificativa de “urgência” para a gestão do estacionamento rotativo foi contestada publicamente por membros do Observatório Social da cidade e de outras entidades representativas. O colunista do DS Milton Alves expôs os riscos da contratação sem licitação.

Na ocasião, representantes da Gold Park Estacionamento, empresa de Joinville que seria contratada, chegaram a falar sobre o modelo que seria implantado em Tubarão antes de o prefeito anunciar o cancelamento do negócio.



Veja Também
Casais são suspeitos de dar nota falsa

Dois casais são suspeitos de entregarem uma nota falsa em um posto de combustível em Laguna. De acordo com a Polícia Militar (PM), os acusados teriam tentado comprar alguns produtos na conveniência do estabelecimento e, no momento de pagar, teriam entregue uma nota falsa de R$ 50,00. A funcionária do caixa percebeu que a nota não era verdadeira, realizou a verificação e confirmou a falsificação.

A supervisora do posto foi acionada e conversou com os suspeitos sobre o ocorrido. Eles, então, trocaram a nota falsa por uma verdadeira. De acordo com a polícia, os suspeitos estavam em um veículo GM Corsa Classic de cor preta. Um boletim de ocorrência foi registrado e nenhum dos acusados foi localizado.

Escolinha de futebol do Zuco segue enfrentando dificuldades
Novo reforço elogia torcida do Tubarão
Jeep Day: inscrições abertas para a 4ª edição