Latrocínio tira vida de homem de 58 anos
Matéria via Diário do Sul / Postado dia 20-04-2017

Jucemir Alcilei May, de 58 anos, morto na noite de terça-feira em Tubarão, foi sepultado ontem em Armazém. De acordo com a Polícia Militar (PM) ele foi vítima de um latrocínio (roubo seguido de morte). O crime aconteceu no bairro Humaitá, após uma briga. A vítima foi encontrada já caída na calçada. Ele chegou a ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu aos ferimentos.

Momentos depois, a polícia prendeu o suspeito do crime. Ele estava escondido no interior de um prédio em construção, deitado em um colchão. O homem, de 29 anos, apresentava machucados como arranhões e escoriações no pescoço e ombros, além de sangue nas mãos, o que indicava uma luta corporal recente.

Trata-se de um latrocínio, uma vez que testemunhas viram o agressor pegar algo do bolso da vítima. Os policiais encontraram com o suspeito R$ 200, que estavam ao lado do colchão onde ele estava deitado.

O jovem acusado, segundo a polícia, negou o crime. Ele tem passagens pela polícia por perturbação de sossego. Após os procedimentos do caso, ele foi encaminhado ao Presídio Regional de Tubarão.



Veja Também
Peixe terá duelo difícil na estreia em casa
Ladrões queimam casa após furto
Homicídio é investigado após identificação de corpo
Pais recebem orientação sobre desaparecimento

Crianças que estiverem no litoral da região, durante este final de semana, receberão pulseira de identificação e folders com dicas de prevenção sobre desaparecimento. A campanha está na segunda edição e chega neste sábado e domingo às praias de Laguna, Jaguaruna e Garopaba. Este trabalho de orientação e divulgação segue até o final da Operação Veraneio.
Uma delegacia móvel também foi disponibilizada para atender o projeto. O veículo está presente nos locais de maior fluxo de turistas e banhistas, nas sextas-feiras, sábados e domingos, cada dia em uma cidade diferente. O objetivo é alertar os pais ou responsáveis para redobrar a vigilância com seus filhos na praia, onde o índice de crianças perdidas e desaparecidas aumenta nesta época do ano.
A polícia alerta que para evitar casos de desaparecimento é preciso seguir algumas orientações, entre as quais ensinar a criança seu nome completo, nome dos seus responsáveis, seu endereço, telefone e referências. Caso a criança tenha dificuldades para memorizar, utilizar pulseiras de identificação com o nome dos pais e telefone é uma alternativa.
Além disso, outra orientação é evitar lugares muito lotados; em locais com piscinas, redobrar os cuidados. E, por fim, em caso de se perder da criança, procurar rapidamente um agente público devidamente identificado.